Comissão de Finanças da Câmara aprova 14º salário para segurados do INSS

Publicado em 25/11/2021 às 12:51

Compartilhe

106687


source
Comissão de Finanças da Câmara dos Deputados aprova 14º salário para segurados do INSS
Fernanda Capelli

Comissão de Finanças da Câmara dos Deputados aprova 14º salário para segurados do INSS

A Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (24) a proposta que assegura, excepcionalmente nos anos de 2020 e 2021, o pagamento em dobro do abono anual devido aos segurados e dependentes do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

O abono será limitado ao valor de até dois salários mínimos, e as parcelas serão pagas no mês de março dos anos de 2022 e 2023.

Também chamado de “13º salário” , o abono é devido aos aposentados, pensionistas e beneficiários da Previdência Social que, durante o ano, receberam auxílios diversos (por morte, doença, acidente ou reclusão).

O Projeto de Lei 4367/20 é de autoria do deputado Pompeo de Mattos (PDT-RS). O relator, deputado Fábio Mitidieri (PSD-SE), recomendou a aprovação do texto.

Mitidieri afirmou que a concessão do benefício em dobro, ou seja, o “14° salário”, visa reduzir o impacto econômico da pandemia entre os segurados da Previdência. “Além de ser composto, em sua maioria, por pessoas de baixa renda, seus benefícios foram severamente corroídos pela inflação que assola o País desde 2020 e que também deverá ser elevada em 2021”, comentou.

Leia Também

O parlamentar acrescentou que a maioria dos beneficiários já não possui capacidade laboral para poder recompor o sustento por meio de trabalho.

Adequação

Mitidieri apresentou três emendas saneadoras, para adequar o projeto à legislação fiscal, que exige medidas de compensação financeira para as políticas que ampliam despesas públicas. Na avaliação do governo, a concessão do 14° terá um impacto de R$ 39,26 bilhões em 2020 e de R$ 42,15 bilhões em 2021.

A adequação financeira proposta é baseada, segundo ele, em “três pilares”: aumento das alíquotas da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) sobre os setores financeiro e de combustíveis entre 2022 e 2023; redirecionamento, até 2023, dos dividendos arrecadados de estatais dos setores bancário e de combustíveis (Petrobras) para o financiamento do programa; e revogação de diversas isenções fiscais.

Essas isenções são as mesmas que o governo propôs acabar por meio do PL 3203/21, e que geram uma economia de R$ 22 bilhões. Mitidieri avalia que a soma das três medidas compensatórias libera recursos suficientes para a concessão do abono em dobro.

Tramitação

A proposta tramita em caráter conclusivo e ainda será analisada pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ). Se aprovada, seguirá para o Senado.

Veja também

© Marcelo Camargo/Agência Brasil

Covid-19: país tem 22,1 milhões de casos e 615,5 mil mortes

107939

Subida dos juros deve provocar desaceleração na economia, diz Guedes

© Marcelo Camargo/Agência Brasil

Ministério oferece mais de 21,5 mil vagas para Médicos pelo Brasil

107935

Em relatório preliminar, deputado destina R$ 16,2 bilhões para orçamento secreto

107933

Nova proposta de reforma trabalhista quer proibir motoristas de app na CLT

107931

Pais de autor de massacre em escola de Michigan são presos

107929

Biden e Putin farão reunião sobre tensões na Ucrânia

© Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Brasileiros devem redobrar cuidados no verão contra câncer de pele