Começa nesta quarta-feira o julgamento do caso Robinho no STJ

Publicado em 20/03/2024 às 11:36

Compartilhe

brasil-20-03-reproducao-tv-record

Foto: Reprodução/ TV Record

O STJ (Superior Tribunal de Justiça) começa a julgar, na tarde desta quarta-feira (20), o  caso Robinho. O tribunal irá decidir se aprova ou não que o ex-jogador cumpra no Brasil a pena de nove anos de prisão que foi determinada pela Justiça italiana, em 2022, por conta do crime de estupro coletivo cometido pelo ex-atleta contra uma jovem de origem albanesa, dentro de uma boate em Milão, em 2013.

O julgamento será realizado pela Corte Especial do STJ, que é composta pelos 15 ministros mais antigos do tribunal. Para que a condenação ao ex-jogador seja homologada, é preciso haver maioria simples de votos, ou seja, pelo menos oito ministros teriam de votar pelo cumprimento da pena de Robinho no Brasil. O relator do processo é o ministro Francisco Falcão, e a presidência da sessão está a cargo de Og Fernandes. Este último só votará em caso de empate.

Há, durante o julgamento, a possibilidade de que algum ministro faça pedido de vista, ou seja, mais tempo para analisar o caso. Se isto acontecer, o julgamento será interrompido e só deverá ser retomado dentro de alguns meses.

Caso não haja pedido de vista, os ministros poderão votar normalmente. Se o julgamento transcorrer até o fim e for aprovado o cumprimento da condenação de Robinho, vale ressaltar que mesmo assim o ex-atleta não deve ser preso de forma imediata no Brasil, já que ainda haverá a possibilidade de a defesa do ex-jogador apresentar recurso.

“Será possível apresentar recursos dentro do próprio STJ utilizando os chamados embargos de declaração. Estes têm o objetivo de esclarecer aspectos obscuros, omissões ou resolver contradições na decisão proferida pelo tribunal. Ainda, é uma opção recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF). Contudo, para que o recurso seja aceito nesse tribunal, é necessário que ele demonstre uma clara e direta violação à Constituição”, explica o advogado Renato Ribeiro de Almeida, doutor em Direito do Estado pela USP (Universidade de São Paulo).

Por que Robinho não cumpriu pena na Itália?

A Justiça italiana pediu, na época da condenação, que Robinho fosse extraditado para poder cumprir a pena no país em que foi condenado. No entanto, o Brasil não faz a extradição dos seus cidadãos. Por conta disso, a Itália solicitou que a sentença seja cumprida aqui.

Fonte: Portal IG

Veja também

brasil-12-04-ft-secretaria-municipal-de-sao-sebastiao

Justiça liberta donos dos cães que atacaram a escritora Roseana Murray

geral-01-03-Luciano-Rocha-STJ

Manter foro privilegiado mesmo ao deixar cargo é voto da maioria no STF

cultura-12-04-ft-div

Fames celebra Semana da Voz com performances eruditas e populares de Jacob do Bandolim a Vivaldi

esportes-12-04-ft-div-gov-es

Remo Paralímpico do Vitória FC fatura ouro na 1ª regata de 2024

esportes-12-04-ft-divulg

Final do Capixabão 2024 será transmitida em varias emissoras neste sábado (13)

AGRO-12-04-FT-GOV-ES-DIVUL

Feira ES+Café promove imersão no universo da cafeicultura capixaba

geral-11-04-Reproducao-Banco-Central

Banco Central lança moeda de R$ 5 em comemoração ao bicentenário da constituição do pais

geral-11-04-freepik

Ifes lança editais com 1.045 vagas em cursos técnicos a distância e presencial