Câmara aprova critérios para certificação de entidades beneficentes

Publicado em 28/10/2021 às 21:21

Compartilhe

© Marcello Casal JrAgência Brasil


A Câmara dos Deputados aprovou nesta quinta-feira (28) o projeto de lei complementar (PLP) que reformula algumas regras para a certificação de entidades beneficentes, às quais a Constituição Federal assegura imunidade nas contribuições para a seguridade social. Agora a matéria será enviada ao Senado.

A proposta é decorrente de decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que considerou inconstitucionais vários artigos da lei que regulamenta a imunidade tributária das instituições. Dessa forma, estabelece critérios para a certificação sem modificar a forma como as entidades devem oferecer serviços gratuitos para contaram com a isenção de contribuições tributárias.

As entidades beneficentes podem receber a certificação que garante a imunidade se prestarem serviços gratuitos nas áreas de educação, saúde ou assistência social.

“Uma condição é que o proponente demonstre que a renúncia foi considerada na estimativa de receita da lei orçamentária e que não afetará as metas de resultados fiscais previstas no anexo próprio da lei de diretrizes orçamentárias. Outra condição, alternativa, é que a proposição esteja acompanhada de medidas de compensação, no período mencionado, por meio do aumento de receita, proveniente da elevação de alíquotas, da ampliação de base de cálculo ou da majoração ou criação de tributo ou contribuição, podendo o benefício entrar em vigor apenas quando implantadas tais medidas”, explicou o relator, deputado Antonio Brito (PSD-BA).

De acordo com o texto, o prazo de validade da certificação foi mantido em três anos, e os requerimentos de renovação feitos após o prazo da data final de validade serão considerados como solicitações para concessão de nova certificação.

Cada uma das áreas contará com regras específicas a serem cumpridas. Caso a Receita Federal verifique descumprimento, será emitido um auto de infração à autoridade executiva certificadora. A exigência do crédito tributário ficará suspensa até a decisão definitiva no processo administrativo. A certificação da entidade permanece válida até a data da decisão administrativa definitiva sobre o cancelamento desse reconhecimento.

Edição: Nádia Franco

Veja também

© Marco Galvão/CBF/Direitos Reservados

Treinadores campeões olímpicos serão homenageados em festa do COB

107400

Gata é encontrada com um bilhete triste e uma pequena surpresa

107398

99 Táxi é condenada por cadastro em CPF de terceiro

© NIAID

Anvisa: dois casos da variante Ômicron são identificados no Brasil

107394

Telebras e ICMBio estão com quase duas mil vagas abertas em concursos; confira

107392

CAGED aponta criação de 253 mil empregos formais em outubro no país

107390

Avião atinge grupo de garças, tem motor obstruído e pousa em chamas; veja vídeo

107388

Guedes admite uso do orçamento secreto para conseguir apoio do Congresso