Cacau, Diony e Gelcilene disputam a Prefeitura de Marechal Floriano

Publicado em 28/09/2020 às 14:47

Compartilhe

Após o término do prazo para o registro das candidaturas para as eleições deste ano, ocorrido no último sábado (26), está confirmado que três candidatos irão concorrer ao cargo de prefeito de Marechal Floriano.

Os partidos PSB, PSDB, REDE e PTB definiram que o atual prefeito Cacau Lorenzoni (PSB) é candidato a reeleição. Do mesmo partido do governador Renato Casagrande, Cacau está em seu terceiro mandato como prefeito no município. Ele já foi deputado estadual. O candidato a vice é o vereador pelo quarto mandatos, João Cabral Rodrigues Conciglieri (PSB).

Vereador em seu primeiro mandato, o empresário Diony Stein (PRTB) também é candidato a prefeito. O candidato a vice-prefeito é o ex-prefeito Lidiney Gobbi (PRB). Lidiney foi candidato a prefeito do município por quatro vezes, e venceu a eleição de 2012. Em 2016, ele perdeu a eleição para Cacau Lorenzoni.

Ex-presidente do Sindicato dos Funcionários Públicos do município, a advogada Gelcilene Loiola (Cidadania) é a única mulher na disputa pela Prefeitura. O candidato a vice-prefeito é o auxiliar de escritório Vinicius Bueno, também do Cidadania. Gelcilene concorreu ao cargo de vereadora em 2012, mas não foi eleita.

Veja também

© Samara Miranda/Remo/Direitos Reservados

Com gol contra, Remo vence Avaí em confronto de Leões pela Série B

© Reuters/Denis Balibouse/ Direitos Reservados

Brasil recebe mais dois lotes de vacinas da Pfizer

© Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

CCJ da Câmara aprova admissibilidade da PEC dos Precatórios

© Gaspar Nóbrega/COB/Direitos Reservados

Brasil vence Argentina no Sul-Americano de vôlei feminino

© Bruno Haddad/Cruzeiro/Direitos reservados

Série B: VAR anula gol nos acréscimos e Cruzeiro empata com Operário

© Rafael Ribeiro/Vasco/Direitos Reservados

CRB arranca empate com o Vasco na 24ª rodada da Série B

© Marcello Casal jr/Agência Brasil

Decreto aumenta alíquotas do IOF para custear novo Bolsa Família

© Rovena Rosa/Agência Brasil

CoronaVac dá proteção acima de 90% a quem tem comorbidades, diz estudo