Brasil ocupa o 11º lugar como país com maior índice de escravidão

Publicado em 24/05/2023 às 15:49

Compartilhe

trabalho-escravo

Foto: Freepik

Um levantamento  divulgado pela Global Slavery Index 2023 nesta quarta-feira (24), aponta que o  Brasil possui mais de 1 milhão de pessoas que vivem em situação de ” escravidão contemporânea”. A pesquisa é feita pela organização Walk Free , que trabalha com direitos humanos e produz dados acerca da escravidão no mundo.

Os  dados utilizados na  pesquisa são de 2021, e mostram que cerca de 49,6 milhões de pessoas  se encontram em situação de  escravidão no mundo, sendo cerca de 1,05 milhão apenas no Brasil . A  organização ainda aponta que entre 2018 e 2021, o número de  escravos contemporâneos aumentou, com mais de 10 milhões de indivíduos sendo considerados.

Segundo a  organização , o Brasil se encontra na 11ª posição com o  maior número de pessoas em estado de escravidão contemporânea , no ranking que possui cerca de 160 países. A lista é liderada pela Índia (com 11 milhões), China (5,8 milhões) e Coreia do Norte (2,3 milhões). O  top 10 fecha com os Estados Unidos, com cerca de 1,1 milhão de pessoas em tais condições.

A  pesquisa fez um cálculo, levando em conta o número total de habitantes em cada país, para ver o percentual de ocorrência de  escravidão contemporânea em cada caso. Com isso, a Coreia do Norte acaba liderando o ranking, com 104  pessoas escravizadas  a cada mil habitantes, seguidas da Eritreia (90 pessoas) e da Mauritânia (32 pessoas).

Nesta perspectiva, o  Brasil apresenta cerca de 5 pessoas escravizadas por mil habitantes, sendo classificado como “média/baixa” a ocorrência.

A  Walk Free promoveu o levantamento pela quinta vez, sendo baseada em fatores individuais e sociais sobre a  escravidão em cada país. São feitas entrevistas e coleta de  dados  quantitativos. Neste  levantamento , pode-se verificar que 87 dos países analisados consideram o trabalho forçado como crime, e 137 tratam como crime de tráfico humano.

Eles ainda identificaram que “quase todos os governos do mundo se comprometeram a erradicar a escravidão moderna por meio de suas legislações e políticas nacionais”, mas que o processo segue “estagnado” desde 2018.

O que o  estudo  mostra é que o  trabalho escravo tem prevalecido em países com baixa renda, e está ligado com as demandas dos países com alta renda.

Com isso, pode-se analisar que em 2021, os Estados participantes do G20 — com o Brasil incluso — movimentou US$ 468 bilhões em importações de produtos que podem estar ligados ao trabalho escravo. Desde montante, cerca de US$ 243,6 bilhões são advindos de produtos eletrônicos e US$ 160,6 bilhões do mercado de roupas e têxtil. Os Estados Unidos segue no primeiro lugar de importações, seguidos do Japão e da Alemanha.

Seguindo nesta análise, o  Brasil fica em 15º lugar, movimentando cerca de US$ 5,6 bilhões em produtos com riscos de  trabalho escravo . Os setores ao qual o país importou são relacionados a óleo de palma e painéis solares, vindo principalmente da China, Indonésia e Bangladesh. O estudo aponta que o  Brasil tem também produtos advindos do  trabalho escravo , sendo vistos na produção de café, cana-de-açúcar, madeira, carne bovina e roupas.

A  Walk Free citou um destaque positivo para o Brasil , pela divulgação da “Lista Suja do Trabalho Escravo”, que tem sido feita pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), que foi criada em 2003. A versão mais recente publicada é de abril deste ano, ao qual foram acrescentadas 132 nomes de empregadores que tenham apresentado  trabalho análogo à escravidão.

Fonte: Portal IG

Veja também

brasil-14-06-ft-Rovena-Rosa

FAB encerra neste sábado recebimento de doações ao Rio Grande do Sul

esportes-14-06-ft-go-es

Paratleta capixaba conquista prata no World Series de natação na França

geral-14-06-ft-gov-es-arvore-fotovotaica

Parque Cultural Casa do Governador recebe árvore fotovoltaica

saude-14-06-ft-gov-es

Nova linhagem do Coronavírus foi detectada no Espírito Santo

policia-14-06-moto-roubada-mf

Motocicleta é furtada em Marechal Floriano e vítima diz que vai mudar de cidade

capa-coluna-vida-saudavel-2

Acidentes de trânsito, um problema de saúde pública

politica-14-06-ft-assessoria-Janete-de-Sa-Desportiva-Ferroviaria

Estádio da Desportiva Ferroviária poderá se tornar patrimônio cultural material do Estado

mundo-14-06-ft-Divulgacao-Queen-Elizabeth-Hospital-vacina-cancer

Vacinas contra o câncer estão em testes no Reino Unido