Bolsonaro altera regras para Auxílio Brasil sem informar recursos para bancá-lo

Publicado em 09/11/2021 às 11:20

Compartilhe

104059


source
Novo Bolsa Família começará a ser pago em 17 de novembro
Reprodução: ACidade ON

Novo Bolsa Família começará a ser pago em 17 de novembro

O presidente Jair Bolsonaro editou o decreto que regulamenta o Auxílio Brasil, programa social do governo que vai substituir o Bolsa Família, mesmo sem ter a fonte de recursos para bancar o benefício. O ato foi publicado em edição extra do Diário Oficial da União na noite desta segunda-feira.

Para pagar o auxílio de R$ 400 prometido pelo presidente é preciso abrir espaço no Orçamento da União, o que só será possível com aprovação da PEC dos Precatórios. A PEC adia o pagamento das dívidas judicias do governo federal – reduzindo a despesa prevista para 2022 com esses débitos – e altera o teto de gastos, ampliando o limite para as despesas no Orçamento.

O governo quer votar a PEC em segundo turno na Câmara dos Deputados hoje, mas não há garantia de que vai obter os votos necessários. Por isso, o Auxílio Brasil será pago em uma versão enxuta a partir de 17 de novembro.

O decreto publicado hoje regulamenta a medida medida provisória (MP) que criou o programa, publicada em 10 de agosto.

Leia Também

A MP tem força de lei, mas precisa ser aprovada por deputados e senadores em até 120 dias para vigorar de forma definitiva. Há nove modalidades diferentes de benefícios dentro do Auxílio Brasil, mas três deles formam o núcleo básico. Confira:

Benefício Primeira Infância:

  • Para famílias com crianças de até 3 anos incompletos. O benefício será de R$ 130, por criança nessa faixa etária. O limite será de cinco benefícios por família.

Benefício Composição Familiar:

  • Para famílias que tenham gestantes, ou pessoas de 3 a 17 anos de idade, ou de 18 a 21 anos matriculados na educação básica. O valor do benefício será de R$ 65, por pessoa nas condições citadas. O limite será de cinco benefícios por família.

Benefício de Superação da Extrema Pobreza:

  • Esse benefício é concedido se, mesmo após o cálculo dos outros benefícios do “núcleo básico”, a renda mensal per capita da família ainda estiver abaixo da linha de extrema pobreza.

Segundo o decreto, o Benefício de Superação da Extrema Pobreza será calculado com base no valor da linha de extrema pobreza (R$ 100 por pessoa), da renda familiar e da quantidade de membros da família. O valor mínimo é de R$ 25 por integrante.

Além desses benefícios, o decreto também estabelece o “Benefício Compensatório de Transição”, que se destina a famílias que estavam na folha de pagamento do Bolsa Família e vão perder parte do valor recebido na mudança para o Auxílio Brasil.

O benefício será concedido no período de implementação do novo programa e mantido até que o valor recebido pela família seja maior que o do Bolsa Família ou até que a família não se enquadre mais nos critérios de elegibilidade.

Veja também

geral-24-06-ft-Divulgacao-Ibama

Servidores federais ambientais iniciam greve

cultura-24-06-ft-Cicecro-italemanha

Preparativos para a Italemanha em ritmo acelerado em Marechal Floriano

geral-24-06-ft-div-gov-es

Recurso emergencial chega a empresas afetadas pelas chuvas no Espírito Santo

brasil-24-06-ft-Reproducao-Twitter-enchente-RS

Nível do Guaíba sobe 23 cm e prefeitura emite alerta para inundações no RS

saude-24-06-ft-freepik-vacina

Saúde reforça importância da vacinação contra sarampo àqueles que vão à Olimpíada de Paris

turismo-24-06-ft-divulgacao-Rota-dos-Queijos

Rota dos Queijos em João Neiva: uma jornada de sabor e tradição

politica-24-06-STF-porte-maconha

STF retoma julgamento sobre porte de maconha para consumo

mundo-24-06-ft-reproducao-portal-ig

Médico brasileiro sobrevive à acidente que vitimou 9 pessoas na Namíbia, incluindo sua esposa