Blindados chegam a Roraima e reforçam fronteira com Venezuela e Guiana

Publicado em 05/02/2024 às 08:56

Compartilhe

brasil-05-02-Exercito-Brasileiro-Divulgacao

O Exército brasileiro completou o envio de 28 blindados para Roraima com objetivo de reforçar a segurança na fronteira com Venezuela e Guiana após o aumento da tensão entre os dois países devido à disputa pela região de Essequibo.

A transferência de blindados para o norte do país faz parte da Operação Roraima, que tem mandado equipamentos militares para a região amazônica. Segundo o Exército, o projeto prevê o aumento em 10% o efetivo de tropas no Comando Militar do Norte e no Comando Militar da Amazônia.

“A chegada dos blindados é resultado do planejamento do Exército Brasileiro voltado para reforçar e priorizar a Amazônia”, afirmou, em nota, o Centro de Comunicação Social do Exército.

A estrutura da unidade militar de Roraima tem sido ampliada de esquadrão para regimento. “Após a transformação completa da unidade, prevista para 2025, o Regimento passará a ter três esquadrões e um efetivo de cerca de 600 militares”, informou o Exército.

Esses equipamentos saíram de Campo Grande (MS), em 17 de janeiro, e chegaram à Manaus na semana passada, após percorrerem mais de 3,5 mil quilômetros. Em seguida, foram deslocados até Roraima.

O comboio que chegou à Boa Vista (RR) foi composto por 14 Viaturas Blindadas Multitarefa (VBMT) 4×4 Guaicurus, todas equipadas com sistemas de armas remotamente controlados, meios optrônicos de visão termal e módulos de comando e controle, além de oito Viaturas Blindadas de Transporte de Pessoal Médio sobre Rodas (VBTP-MR) Guarani, seis Viaturas Blindadas de Reconhecimento Média Sobre Rodas (VBR-MSR) EE-9 Cascavel, e outras viaturas administrativas.

Disputa territorial

O deslocamento de tropas e equipamentos militares para Roraima teve início após a escalada de tensões entre Venezuela e Guiana causada pela disputa pelo território de Essequibo. Alvo de uma controvérsia que remonta ao século 19, esse território voltou a ser reclamado pelo governo da Venezuela no ano passado. Em dezembro, os eleitores venezuelanos aprovaram, em referendo, a incorporação de Essequibo, que soma 75% da atual Guiana.

O território de 160 mil km² com uma população de 120 mil pessoas é alvo de disputa pelo menos desde 1899, quando esse espaço foi entregue à Grã-Bretanha, que controlava a Guiana na época. A Venezuela, no entanto, não reconhece essa decisão e sempre considerou a região “em disputa”. 

Em 1966, as Nações Unidas intermediaram o Acordo de Genebra – logo após a independência da Guiana –, segundo o qual a região ainda está “por negociar”. Existem estimativas que a região dispõe de bilhões de barris de petróleo.

Em 15 de dezembro de 2023, os presidentes da Venezuela, Nicolás Maduro, e da Guiana, Irfaan Ali, se comprometeram a não usar a força um contra o outro para resolver a controvérsia. O Brasil ajudou a mediar o encontro e uma nova reunião entre os dois presidentes deve ocorrer até março deste ano para continuar as negociações.

Fonte: Agência Brasil/ Foto: Exército Brasileiro/Divulgação

Veja também

mundo-24-04-ft-JIM-WATSON

EUA promete enviar ajuda militar à Ucrânia nas próximas horas

politica-24-04-freepik-arma

Projeto quer estabelecer multa para crimes com arma de fogo

agro-24-04-ft-Arquivo-Paulo-Cordeiro

Agricultores familiares acessam políticas públicas de comercialização e melhoram renda com apoio do Incaper

geral-24-04-ft-div

Projeto Jovem Perito da Polícia Científica está com agenda de 2024 aberta

saude-24-04-ft-freepik

Lacen confirma circulação de Febre do Oropouche no Espírito Santo

geral-23-04-Foto-Osvaldo-Paula-Galote-Junior

Dia Mundial do Livro: leitura transformou a vida de um jovem em Domingos Martins

geral-23-04-ft-div

Programa Acredita começa hoje e prevê facilidade aos MEIs em negociação de dívidas

geral-23-04-ft-div-gov-es

Espírito Santo registra redução nas taxas de pobreza e extrema pobreza