Barros culpa oposição por fracasso do Auxílio Brasil: “Prejudica os mais pobres”

Publicado em 29/10/2021 às 13:51

Compartilhe

102713


source
Segundo o líder do governo na Câmara, oposição embarreira a PEC dos Precatórios pensando nas eleições de 2022
Reprodução: iG Minas Gerais

Segundo o líder do governo na Câmara, oposição embarreira a PEC dos Precatórios pensando nas eleições de 2022

O líder do governo na Câmara dos Deputados, Ricardo Barros, culpou a oposição pelo atraso na aprovação do Auxílio Brasil , que vai substituir o Bolsa Família. Para ele, o grupo prejudicará os mais pobres por estar pensando nas eleições de 2022. Sendo assim, Barros afirmou que o Executivo já pensa em novas alternativas, como um novo decreto de estado de calamidade.

“Já temos a PEC dos Precatórios . Ela foi aprovada na comissão especial, ela trata de vários temas e, por isso, o relator fez reunião com as bancadas para explicar os pontos. O governo está confiante que vai aprovar essa PEC. Essa alternativa de não-aprovação não discutiremos, vamos focar em aprovar”, assegurou o deputado, em entrevista ao Jornal da Manhã, da Jovem Pan.

A PEC, no entanto, só passou na Comissão, quando o presidente da Casa, Arthur Lira, levou o texto ao plenário, a falta de consenso fez com que ele fosse adiado três vezes consecutivas . Além disso, no Senado cresce a resistência à proposta . Para Barro, é tudo culpa do “clima eleitoral”.

“A oposição vai fechar contra porque não quer que o presidente Jair Bolsonaro socorra os mais pobres, aqueles que foram afetados pela pandemia, pelo isolamento e pela falta de capacidade de continuar sustentando a sua família com seu próprio trabalho. É uma questão que tem impacto político e a oposição está em uma sinuca, eles têm que votar contra o Auxílio Brasil de R$ 400 e ficam inventando desculpas para votar contra a PEC dos precatórios. Vão prejudicar os pobres para tentar ganhar a eleições”, disse Barros.

A votação está marcada para acontecer na próxima quarta-feira (3), após o ministro da Cidadania,  João Roma, fazer um apelo ao Congresso para aprovar a medida até a segunda semana de novembro. 

Leia Também

Os pagamentos do Auxílio Brasil estão previstos para começar no dia 17 de novembro, com valor de R$ 222. Para elevar para R$ 400, como prometido, é necessário que o governo aprova a PEC que inclui um novo modelo de calcular o teto de gastos, que abriria espaço fiscal de R$ 83 bilhões.

“É um programa totalmente diferente porque é voltado para que a família não dependa da ajuda do governo e possa caminhar sozinha. É uma rampa de ascensão social”, finalizou Barros.


Veja também

© Washington Alves/COB/Direitos Reservados

Basquete: Brasil derrota Chile nas Eliminatórias da Copa do Mundo

© Marcello Casal JrAgência Brasil

Covid-19: ministro anuncia proibição de voos oriundos de seis países

© Felipe Oliveira/EC Bahia/Direitos Reservados

Brasileiro: Bahia derrota Grêmio por 3 a 1 e deixa Z4

© Marcelo Camargo/Agência Brasil

Não há casos da nova variante identificados no Brasil, diz ministério

© Fernando Brito/MS

Fiocruz pede inclusão de BioManguinhos como produtor de IFA nacional

106933

Chineses ignoram governo e usam criptomoedas para mandar dinheiro para o Japão

106931

INSS: Normas temporárias para concessão de auxílio é constitucional, decide STF

106929

Campos Neto diz que inflação vai melhorar a partir de 2022