Auxílio tem nova proposta que prevê parcelas de R$ 400 até fim de 2022

Publicado em 19/10/2021 às 08:50

Compartilhe

100963


source
Paulo Guedes e Jair Bolsonaro
MARCOS CORRÊA/ PR

Paulo Guedes e Jair Bolsonaro

O governo federal estuda complementar o Auxílio Brasil, o novo Bolsa Família, com mais duas parcelas, uma dentro e outra fora do teto de gastos. O estudo é feito pensando no fim do auxílio emergencial,  que já está tendo a última parcela paga.

De acordo com apuração do Estadão/Broadcast, essa possibilidade elevaria o Auxílio Brasil para, em média, R$ 400 durante todo o ano de 2022, quando o presidente Jair Bolsonaro tentará se reeleger. Esta é uma das várias opções que estão sendo estudadas. Na segunda-feira (18),  Bolsonaro chegou a falar na prorrogação do próprio auxílio emergencial.

Pagamento fora do teto de gastos

De acordo com o Estadão/Broadcast, a equipe do Ministério da Economia tenta frear qualquer possibilidade de benefício que ultrapasse o teto de gastos, mas a ala política do governo quer enfraquecer o ministro Paulo Guedes.

Desde sábado, se intensificaram as conversas no governo a respeito das políticas sociais. De acordo com apuração do Estadão/Broadcast, está ficando definido um auxílio temporário que será pago de forma complementar ao Auxílio Brasil.

Leia Também

Como seria o auxílio dobrado

A alternativa seria, portanto, pagar o Auxílio Brasil no valor que cabe dentro do Orçamento. Com isso, a parcela seria de R$ 194,45, valor estimado em parecer de mérito elaborado pelo Ministério da Cidadania e obtido pelo Estadão/Broadcast por meio da Lei de Acesso à Informação (LAI).

Duas parcelas de auxílio temporário seriam adicionadas a esse valor, cada uma delas de R$ 100. O público atingido seria o mesmo do Auxílio Brasil, elevando o benefício a R$ 400 até o final de 2022.

Uma das parcelas de R$ 100 cabe no teto de gastos, fazendo o benefício chegar a R$ 300 a partir de novembro. A outra, que faz o auxílio chegar a R$ 400, seria paga fora do teto a partir de dezembro. De acordo com fontes ouvidas pelo Estadão/Broadcast, o movimento do governo agora é para convencer Guedes, já que “apenas parte” do benefício ficaria fora do limite de despesas.

Veja também

© Pedro Souza/Atletico

Bahia respira, Grêmio agoniza e Atlético-MG faz a festa com a torcida

108004

Paulo Guedes define nomes para reestruturação do Ministério da Economia

108000

EUA: Memorial em homenagem a Anne Frank é vandalizado com suásticas

107998

Petrobras vai reduzir preço dos combustíveis esta semana, diz Bolsonaro

107993

Maduro é retratado como super herói em desenho de TV estatal na Venezuela

107991

Presidente de Portugal dissolve Parlamento e convoca eleições antecipadas

107989

Mais da metade dos maiores de 18 anos consomem bebidas alcoólicas

107987

Padre ortodoxo chama papa Francisco de ‘herege’ em Atenas