Auxílio Brasil é confuso e representa um retrocesso de 20 anos, diz especialista

Publicado em 04/11/2021 às 20:20

Compartilhe

103513


source
Live Brasil Econômico com o diretor técnico do DIEESE, Fausto Augusto Júnior, nesta quinta-feira (4)
Brasil Econômico

Live Brasil Econômico com o diretor técnico do DIEESE, Fausto Augusto Júnior, nesta quinta-feira (4)

Medida Provisória (MP) que cria o Auxílio Brasil implementa oito modalidades para o benefício, que vão desde complemento no pagamento de creches até bônus por produtividade escolar. Para o diretor técnico do DIEESE (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), Fausto Augusto Junior, a “pulverização” dos recursos representa um retrocesso de 20 anos. 

“O que assusta é que o Auxílio Brasil vai na direção contrária do  Programa Bolsa Família (PBF), que era uma aglutinação dos vales criados no governo Fernando Henrique Cardoso, ou seja, se tornou uma política de Estado, não interessando o partido de plantão, a política vai se perpetuando.”

Pelo texto atual, o programa terá os seguintes benefícios e valores:

  • Benefício Primeira Infância: R$ 90,00 por mês, por integrante, até o limite de 5 pessoas por família;
  • Benefício Composição Familiar: R$ 45,00 por mês, por integrante, até o limite de 5 pessoas por família;
  • Benefício de Superação da Extrema Pobreza: calculado por integrante e pago por família. Considera a diferença entre o valor da linha de extrema pobreza e a renda mensal per capita da família e será de no mínimo R$ 10 por integrante familiar;
  • Benefício Compensatório de Transição: pago por família, para que o Auxílio Brasil não seja menor que o Bolsa Família; Auxílio Esporte Escolar: 12 parcelas mensais de R$ 100,00 e uma parcela única de R$ 1.000,00 por família;
  • Bolsa de Iniciação Científica Júnior: 12 parcelas mensais de R$ 100,00 e uma parcela única de R$ 1.000,00 por família;
  • Auxílio Criança Cidadã: R$ 200,00 por mês para crianças matriculadas em creches de turno parcial R$ 300,00 por mês para crianças matriculadas em creches de turno integral;
  • ​​Auxílio Inclusão Produtiva Rural: R$ 200,00 por mês para famílias de agricultores familiares;
  • Auxílio Inclusão Produtiva Urbana: R$ 200,00 por mês para famílias com integrantes que comprovem vínculo de emprego formal.

Incertezas afetam o modo de gastar o recurso

Para Fausto, o fato dos depósitos terem ‘prazo de validade’ até dezembro de 2022 criam incertezas que fazem o beneficiário gastar de maneira a não estimular a economia, mas, sabendo que o valor de R$ 400 será reduzido após dezembro de 2022, prefere poupar.

“O problema é que o programa já está defasado. Além disso, por conta da pandemia, da recessão econômica e da inflação, o Brasil ficou mais pobre desde 2016. Com isso, cresceu a fila dos muito pobres, e, na hora de apresentar um projeto para eles, você cria uma medida temporária mais complexa e mais burocrática”, critica. 

As 17 milhões de famílias que recebem o Bolsa Família têm papel fundamental no desenvolvimento de pequenos comércios, explica Fausto. “Quem recebe o benefício não deposita em paraíso fiscal, ele gasta do armazém e no posto da esquina”.

Falta pensamento de longo prazo

O sociólogo ressalta que programas de transferência de rendas são essenciais e que o Bolsa Família cumpriu o papel de superação da extrema pobreza (aquela com renda per capita de até R$ 89 mensais), mas o Auxílio Brasil desfaz esses avanços.

Leia Também

Leia Também

“O problema é a falta de política, ninguém sabe o planejamento e em economia não tem nada pior que instabilidade. Se você não tem previsão, como você sabe onde investir o seu recurso? Decisões precisam ser tomadas pensando no longo prazo”, finaliza.

Dentro do pacote de instabilidades cercando o Auxílio Brasil, a principal é a fonte de recursos. O governo ainda não sabe como custear os R$ 400 que representam R$ 84 bilhões a mais no Orçamento.

A ideia por enquanto é a mudança no cálculo do teto de gastos, que era reajustado pela inflação acumulada em 12 meses até junho. Para conseguir R$ 90 bilhões de folga no teto de gastos, o governo embutiu na PEC dos Precatórios a mudança para dezembro de 2022. Fausto avalia que a tentativa pode ser considerada “pedalada fiscal”, que levou ao impeachment da ex-presidente Dilma Roussef.

Veja:


Lives Brasil Econômico

Semanalmente, a redação do Brasil Econômico entrevista algum especialista para aprofundar um tema relevante do noticiário econômico. Sempre às quintas-feiras, as transmissões começam às 17h pela página do Facebook e pelo canal do iG no YouTube.

 Também em podcast



Veja também

© Washington Alves/COB/Direitos Reservados

Basquete: Brasil derrota Chile nas Eliminatórias da Copa do Mundo

© Marcello Casal JrAgência Brasil

Covid-19: ministro anuncia proibição de voos oriundos de seis países

© Felipe Oliveira/EC Bahia/Direitos Reservados

Brasileiro: Bahia derrota Grêmio por 3 a 1 e deixa Z4

© Marcelo Camargo/Agência Brasil

Não há casos da nova variante identificados no Brasil, diz ministério

© Fernando Brito/MS

Fiocruz pede inclusão de BioManguinhos como produtor de IFA nacional

106933

Chineses ignoram governo e usam criptomoedas para mandar dinheiro para o Japão

106931

INSS: Normas temporárias para concessão de auxílio é constitucional, decide STF

106929

Campos Neto diz que inflação vai melhorar a partir de 2022