VIDA SAUDÁVEL

Vida Saudável

Aprenda a identificar a intolerância à lactose e melhore sua qualidade de vida

Publicado em 15/09/2022 às 08:17

Compartilhe

Colunas-Montanhas capixabas-Vida_Saudavel2

A intolerância à lactose é um distúrbio digestivo que se caracteriza pela dificuldade que o organismo tem em digerir, de forma parcial ou completa, o açúcar existente no leite e produtos derivados. O problema ocorre quando não há a produção (ou quando a produção acontece em baixas quantidades) de uma enzima digestiva chamada lactase, responsável por quebrar e decompor a lactose. Como consequência, a substância chega até o intestino grosso sem alterações.

A partir desse momento, a lactose se acumula e sofre uma fermentação de bactérias que fabricam ácido e gases, causando retenção de água e provocando o aparecimento de diarreias e cólicas. A gastroenterologista da Unimed Vitória Livia Pandolfi ensina que para identificar a intolerância à lactose é necessário observar os sintomas clínicos do paciente, como o aparecimento de distensão, gases, diarreia, dores abdominais e náuseas, minutos ou horas após a ingestão de leite e derivados. O nível de intensidade desses sintomas vai depender da concentração de lactose de cada alimento.

Existem três tipos de intolerância à lactose: a congênita, que é rara e se manifesta logo após o nascimento, impedindo o aleitamento materno; a secundária, que ocorre após a inflamação do intestino delgado motivada por gastroenterites virais, alergia à proteína do leite, doença celíaca e doenças inflamatórias intestinais; e o terceiro tipo é o adulto, uma deficiência primária que afeta a maioria das pessoas por ser de natureza genética, e que causa uma redução na produção de lactase ao longo do tempo.

Há exames disponíveis para a confirmação do quadro. O mais usado é um exame de sangue realizado após a ingestão de um líquido com lactose. Apesar de ser mais acessível ele é menos confiável que o teste do hidrogênio espirado, chamado de padrão ouro.

Tratamento

A melhor forma de lidar com a intolerância é ter a confirmação por meio do diagnóstico e entender que não é necessário excluir totalmente o leite e os derivados da alimentação. “O paciente precisa conhecer os alimentos com maior teor de lactose e identificar qual é o seu nível de tolerância, porque muitas pessoas toleram uma pequena quantidade. Sempre que for possível, precisará reduzir o consumo de alimentos que são ricos em lactose, principalmente leite, iogurtes e sorvetes, e passar a consumir produtos sem a substância. Além disso, deve fazer o uso da enzima lactase nos momentos que desejar comer produtos com maior concentração de lactose”.

Livia alerta que a infecção intestinal e outras situações que afetam o intestino podem ter relação com a intolerância à lactose, comprometendo a produção de lactase no organismo. “Esse é o tipo de intolerância conhecido como secundária. Ela ocorre após uma inflamação no intestino, danificando o revestimento interno, que é exatamente o local de produção da enzima lactase, comprometendo esse processo. Com a recuperação e melhora dessa condição inflamatória, as células se regeneram e após um tempo a pessoa volta a conseguir digerir a lactase”.

É importante o paciente identificar se a exclusão da lactose da dieta realmente ocasiona uma melhora dos sintomas. Caso não haja melhora após esse tratamento, é necessário investigar outros problemas que gerem os mesmos sintomas, como a síndrome do intestino irritável, supercrescimento bacteriano do intestino e parasitoses, por exemplo.

Intolerância x alergia

Apesar de muitas pessoas confundirem intolerância com alergia, os dois problemas são diferentes. O primeiro é caracterizado pela dificuldade do organismo em quebrar a lactase. E o segundo é uma resposta descontrolada do sistema imunológico a uma proteína específica do leite da vaca. O ataque das células de defesa motiva manifestações em todo o corpo, como falta de ar, tosse, manchas na pele, coceira e inchaço nos lábios. A alergia, geralmente, é mais perigosa.

Não é possível reverter a queda na produção da lactase, mas é bom lembrar que o correto funcionamento dos órgãos digestivos influencia na digestão da lactose. A recomendação é ter um cardápio variado com verduras, frutas e cereais integrais que facilitam o trânsito intestinal. Apesar de ter a presença de lactose não digerida, um organismo mais saudável é menos propenso a sofrer com gases e cólicas.

Veja também

mundo-13-06-ft-reproducao-internet

Ferida no Líbano diz ter deixado o Brasil após agressão do marido

politica-13-06-Alex-Ferreira-Camara-dos-Deputados

PL que iguala aborto a homicídio tem 78% de rejeição no site da Câmara

policia-13-06-ft-policia-civi-MF-roubo-casal

Casal detido em Marechal Floriano disse que anjo os orientou a praticar furtos em residências

saude-13-06-ft-sesa

Hospital Estadual Central recebe placa comemorativa do selo Diamond pela excelência no tratamento do AVC 

politica-13-06-Helio-Filho-Secom

Armazéns do Porto de Vitória ganham projeto de requalificação

esporte-13-06-ft-gov-es-selecao-capixaba-handebol

Seleção capixaba de handebol disputa Campeonato Brasileiro Cadete

cultura-13-06-ft-gov-es

VII Festival de Leituras Dramáticas Capixabas agita Cachoeiro

saude-13-06-ft-Criar-Comunicacao-Integrada-medico

Mais de 50 médicos do Espírito Santo respondem por processo no CRM

Últimos artigos de Vida Saudável

Lipedema: a doença subestimada que requer atenção e ação

Saúde mental em situações de calamidade pública

Gestantes têm até quatro vezes mais chances de desenvolver quadros graves da Dengue

Epidemia de obesidade afeta mais de 62,6% das mulheres no Brasil

Cirurgião da coluna vertebral alerta sobre os perigos do uso descontrolado de opióides