Apreensão de carne suína em aeroporto acende alerta contra Peste Suína Africana

Publicado em 07/09/2022 às 11:25

Compartilhe

Apreensao-de-carne-suina-em-aeroporto-acende-alerta-contra-Peste-Suina-Africana

Em mais uma ação dos auditores fiscais federais agropecuários do Serviço de Vigilância Agropecuária Internacional (Vigiagro), no Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro (Galeão), foram apreendidos 5,6 kg de produtos de origem suína produzidos na Rússia, país que no momento tem focos de Peste Suína Africana (PSA), oferecendo risco para a entrada da doença no Brasil, erradicada desde o final da década de 1970.

Salames, linguiças e outros produtos derivados de carne suína foram encontrados em bagagem de passageiro vindo da Rússia, no último domingo (04), conforme noticiou o portal da Revista Negócio Rural. Desde que o alerta mundial para o risco do retorno da doença foi emitido em julho do ano passado, quando focos da PSA foram identificados na República Dominicana, o Brasil vem se precavendo para evitar a contaminação de seus rebanhos suínos, assim como outros países.

O Sindicato dos Auditores Fiscais Federais Agropecuários (ANFFA Sindical) reforça que passageiros vindos de países com focos de doenças e pragas de interesse agropecuário devem sempre ser vistos como alvo da vigilância agropecuária.

“Investimentos em inteligência e ferramentas para aprimorar a seleção de alvos são imprescindíveis para o serviço de proteção da produção agropecuária brasileira”, destaca Janus Pablo, presidente do ANFFA. Além disso, alerta para a necessidade de se ampliar o quadro de auditores fiscais federais agropecuários (affas) em todo o país, o que também vai assegurar maior eficiência nessas ações de proteção e defesa agropecuária. Segundo o Sindicato, hoje há uma carência de quase dois mil affas no Brasil.

A doença afeta somente os suínos. É uma doença viral contagiosa, que não tem cura e nem tratamento, podendo dizimar rebanhos. Além disso, segundo estimativa da Embrapa, se a PSA entrasse no país poderia causar prejuízo de aproximadamente, US$ 5,5 bilhões, somente no primeiro ano. Por essa razão o Brasil, por meio do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), vem realizando forças-tarefas para evitar a entrada da doença em território brasileiro, que pode ocorrer a partir de um minúsculo pedaço contaminado de derivados da carne suína vinda de outros países.

O Brasil é hoje o quarto maior produtor de carne suína no mundo (4,4 milhões de toneladas), tendo como maior compradora a China, que continua se posicionando como principal importadora e produtora da carne suína. A União Europeia lidera a exportação mundial.

Fonte: FSB Comunicação

Veja também

agricultura-familiar

Governo e Assembleia anunciam investimento de R$5 milhões na Agricultura Familiar

Cooperativas-de-seringalistas-debatem-desafios-da-producao-de-borracha-no-ES

Cooperativas de seringalistas debatem desafios da produção de borracha no ES

Governador-anuncia-mais-66-novos-onibus-climatizados-para-o-Transcol

Governador anuncia mais 66 novos ônibus climatizados para o Transcol

sustentabilidade-es

Projeto Semeando com Sustentabilidade receberá investimento três vezes maior

inovacoes-es

Governo do Estado apresenta ações inovadoras durante o ESX 2024

fevesu-24

Favesu 2024 leva conhecimento sobre avicultura e suinocultura a milhares de participantes

brasil-14-06-ft-Rovena-Rosa

FAB encerra neste sábado recebimento de doações ao Rio Grande do Sul

esportes-14-06-ft-go-es

Paratleta capixaba conquista prata no World Series de natação na França