Após três meses, China libera compra de carne bovina do Brasil

Publicado em 15/12/2021 às 09:20

Compartilhe

109187


source
China retira embargo de carne bovina do Brasil
Reprodução

China retira embargo de carne bovina do Brasil

A China retirou o embargo à carne brasileira nesta quarta-feira (15), de acordo com o Ministério da Agricultura. A medida vigorava desde o início de setembro.

Por enquanto, o Ministério da agricultura não detalhou quais cortes de carnes poderão voltar a ser vendidos. De acordo com a Reuters, a China liberou a importação de cortes sem osso de animais de até 30 meses de idade.

O embargo começou em setembro, quando o Brasil suspendeu as vendas para a China após dois casos de vaca louca em Minas Gerais e Mato Grosso. Mesmo que os casos não apresentassem risco de contaminação, a suspensão foi feita para cumprir um protocolo sanitário entre os dois países, que prevê essa interrupção de comércio em casos de identificação da doença.

A retomada do comério, no entanto, dependia da China, que exigiu diversas comprovações do Brasil antes de restabelecer a importação de carne.

Como o país é o maior importador de carne brasileira, o Brasil viu suas exportações caírem expressivamente durante o embargo. Em outubro, as exportações de carne bovina caíram 43% .

Veja também

© 01/09/2021/Rovena Rosa/Agência  Brasil

Covid-19: Brasil registra 259 mortes e 83,3 mil novos casos

© Érico Filipe/EBC

Queiroga diz que prioridade é ampliar vacinação contra covid-19

© Lucas Figueiredo/CBF/Direitos Reservados

Eliminatórias: Brasil inicia preparação para jogo contra Equador

© Arquivo/Valter Campanato/Agência Brasil

STF determina prisão domiciliar para Roberto Jefferson

114082

Bolsonaro troca social por eleitoral no Orçamento, dizem especialistas

© Tony Heff

Surfe: Medina anuncia que não disputará 1ª etapa do Circuito Mundial

© REUTERS/Alberto Lingria/direitos reservados

Técnico Roberto Mancini convoca brasileiros para a seleção Italiana

© Matsui Mikihito/CPB/Direitos Reservados

Coluna – Pandemia ainda desafia planejamento do ciclo paralímpico