Ainda dá tempo de conhecer bosque das cerejeiras de São Bento de Urânia

Publicado em 15/07/2023 às 12:42

Compartilhe

Ainda-da-tempo-de-conhecer-bosque-das-cerejeiras-de-Sao-Bento-de-Urania

Texto: Clóvis Rangel / Fotos: Divulgação

Com floração prevista somente para o início do mês de agosto, as cerejeiras do bosque em São Bento de Urânia, Alfredo Chaves, floresceram mais cedo este ano e viraram atração do inverno na região Serrana do Estado.  Mas, quem quiser visitar o local, precisa ir logo, porque a floração está no final.

A vendedora Thailane de Sousa, de 22 anos, mora em Afonso Cláudio e esteve no bosque com seu namorado, o agricultor Luan Fardin, 22, que mora em São Bento de Urânia. “É um lugar extremamente lindo, que transmite paz. É o mais belo do Estado”, disse Thailane. 

Hilquias Darcley, 43 anos, de Vila Velha, conheceu o lugar há dois anos e disse que ficou encantado. “Esse lugar é incrível, diferente. São muitos pés de cerejeiras distribuídas no sítio. Tem um lago verde que é encantador. O local merece ser visitado. Fui no finalzinho da floração, mas não vou deixar de visitar no ano que vem, para fazer fotos. Vou logo no início da temporada”, afirmou.

Com cerca de 320 árvores da cor rosa, o novo bosque das cerejeiras, como ele é conhecido pelos turistas, é localizado no Sítio Monte Rá, do mestre Lee Chung, de 83 anos, um dos percussores do Taekwondo no Brasil. Segundo ele, a entrada para conhecer o local é gratuita. 

“É de graça, não cobramos nada. É um presente que a natureza nos dá. As flores começam a brotar no final junho”, informou. Lee ressaltou que quem estiver interessado em visitar o bosque deve ir logo. Outra orientação passada por ele é a respeito da limpeza do ambiente. Lee Chung pede para que os visitantes recolham o próprio lixo e descartem nos locais apropriados. Além disso, é proibido entrar na propriedade ao redor da casa da família, que fica no mesmo lugar das cerejeiras. 

Mestre Lee comentou também que começou a plantar as sementes de cerejeiras há mais de 20 anos, para resgatar essa cultura asiática em terras capixabas, “Plantei em 2001 e ainda mais nos anos seguintes. Hoje em dia, existem mais de 300 cerejeiras no Sítio Monte Rá”, disse. O técnico do Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper), Alciro Lazzarini, explica que as cerejeiras são originárias do Japão e que no Brasil costumam florescer entre o fim do mês de julho e o início de agosto.

Veja também

brasil-14-06-ft-Rovena-Rosa

FAB encerra neste sábado recebimento de doações ao Rio Grande do Sul

esportes-14-06-ft-go-es

Paratleta capixaba conquista prata no World Series de natação na França

geral-14-06-ft-gov-es-arvore-fotovotaica

Parque Cultural Casa do Governador recebe árvore fotovoltaica

saude-14-06-ft-gov-es

Nova linhagem do Coronavírus foi detectada no Espírito Santo

policia-14-06-moto-roubada-mf

Motocicleta é furtada em Marechal Floriano e vítima diz que vai mudar de cidade

capa-coluna-vida-saudavel-2

Acidentes de trânsito, um problema de saúde pública

politica-14-06-ft-assessoria-Janete-de-Sa-Desportiva-Ferroviaria

Estádio da Desportiva Ferroviária poderá se tornar patrimônio cultural material do Estado

mundo-14-06-ft-Divulgacao-Queen-Elizabeth-Hospital-vacina-cancer

Vacinas contra o câncer estão em testes no Reino Unido