Laranja da Terra é o segundo município capixaba que mais reduziu as despesas com pessoal

Nesse tempo de crise econômica, muitos municípios tiveram que dar uma enxugada em seus consumos, e atitudes que contribuem para essa redução dos gastos são sempre consideradas bem vindas. É caso da cidade de Laranja da Terra, que teve a segunda maior redução nas despesas com pessoal no ano passado.

Segundo dados do anuário Finanças dos Municípios Capixabas, elaborado pela Aequus Consultoria, o município fechou 2016 com uma redução de 15,7% no percentual de despesas com pessoal, só ficando atrás da cidade de Anchieta, com 21%.

Mesmo com os números apresentados sendo da administração passada, o atual prefeito do município, Josafá Storch (PMDB), fez algumas ressalvas. “Temos que ficar atentos, porque o município teve uma redução de 15,7%, mas os gastos foram de 60%, e eles tiveram que fazer essa queda meio que obrigados”, ressalta o prefeito.

O prefeito lembrou que nos primeiros seis meses de sua administração o foco foi para as áreas de saúde e educação, além da economia de aproximadamente R$ 600 mil através do transporte escolar. “Eu tenho os números dos meus seis primeiros meses de trabalho, no qual tivemos a média de 48% em gastos com pessoal, sendo que o limite é 54%, mas nós queremos manter essa média de forma enxuta e econômica”, lembrou Josafá.

Além de Laranja da Terra e Anchieta, a lista apresenta as cidades de Fundão (-14,4%), Muqui (-13,3%), Linhares (-12,9%), Divino de São Lourenço (-12,8%), Pancas (-12,5%), São Mateus (-12%) e Cariacica (-11,5%) entre as que tiveram as maiores reduções das despesas no último ano.

UMA GRANDE TAREFA - A economista e editora do anuário, Tânia Villela, destacou que a redução do gasto com pessoal é sempre uma tarefa difícil para a administração pública. “O emprego público possui estabilidade, o que impede a redução do número de servidores através de demissões, por isso é difícil conter o gasto com pessoal. Além disso, deve-se considerar que as prefeituras, principalmente do interior, são os maiores empregadores da localidade, o que aumenta a dificuldade do gestor público para realizar os cortes”, conta Tânia.

A capital do Estado registrou a maior queda em valores absolutos: os gastos com pessoal caíram R$ 91,8 milhões, passando de R$ 870,9 milhões em 2015 para R$ 779 milhões em 2016. Outros municípios com cortes elevados foram Cariacica (- R$ 35,3 milhões), Linhares (- R$ 34,5 milhões) e Anchieta (- R$ 34,1 milhões). Por habitante, o gasto médio com pessoal nos municípios capixabas foi de R$ 1.309,06 em 2016, valor 7,3% menor que o registrado no ano anterior.