Agricultores de Todos os Santos não conseguem contabilizar prejuízos com tempestade na última semana

É impossível a contabilização dos prejuízos causados pela tempestade marcada pela forte ventania, queda de granizo e muitos relâmpagos e trovões. É assim que pensam os lavradores de Todos os Santos, zona rural de Guarapari, que perderam hortas inteiras de folhosas, temperos verdes, cafezais, além das florestas preservadas.

O lavrador Lino Capelini, 76 anos, comentou que passou a vida trabalhando na lavoura, fornecendo mercadorias aos vendedores sendo transportadas até os centros de comercialização da Grande Vitória e sedes de municípios vizinhos. “Jamais me deparei com uma tempestade como aquela”, disse Lino.

Proprietários de Todos os Santos não conseguem contabilizar prejuízos com tempestade na última semana1Lino explicou que na sua residência, um filho teve de entrar sob uma mesa para não ser atingido pelo granizo que caía em grande quantidade, com pedras de tamanhos avantajados. Além das hortas de alface, couve, brócolis, cebolinha, salsa, cafezais foram destruídas as matas e principalmente os telhados dos imóveis.

Proprietários de Todos os Santos não conseguem contabilizar prejuízos com tempestade na última semana 2As entregas nos mercados, segundo Lino foram automaticamente suspensas por todos os proprietários de Todos os Santos. Entre eles, segundo o lavrador, destacam-se Devaelson Capelini, Geraldo Maioli, Tiago Disperati e muitos outros. “Na realidade todos nós perdemos a nossa produção rural das hortaliças até os cafezais”, disse Lino.

Proprietários de Todos os Santos não conseguem contabilizar prejuízos com tempestade na última semanaA comunidade de Todos os Santos, segundo Capelini, não conseguirá jamais chegar ao cálculo dos prejuízos causados pelo temporal da última semana. “O que eu fiz foi rezar e pedir a Deus junto à minha família para sairmos vivos e os outros amigos também rezaram muito para estarmos juntos por mais tempo”, disse o lavrador.